• Photobucket

Home / Cinema / 12 Anos Escravo

12 Anos Escravo

21045913_20131002112033242.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Em termos cinematográficos, o ano não poderia ter começado melhor. Aliás, é habitual os inícios de anos serem marcados por estreias de grandes filmes. E indo ao sabor da corrente, falamos esta semana sobre o filme “12 Anos Escravo” (“12 Years a Slave”), de Steve McQueen.

Esta não é uma história fácil. Estando nomeado em várias categorias dos Óscares, nomeação válida diga-se, mas que pode afastar os mais descrentes no valor destas pequenas estátuas, o novo filme de Steve McQueen pode ser considerado uma obra-prima do cinema e que ficará na história.

Tal como os seus filmes anteriores (Fome – 2008; Vergonha – 2011), o realizador brinda-nos com uma história dura, violenta, onde o grande foco é dado à dimensão e condição humanas. Solomon Northup (interpretado por Chiwetel Ejiofor) é o narrador da sua própria existência. Um negro livre a viver em tempos de escravatura no Sul dos E.U.A. e que, por sua própria inocência, se deixa raptar e é vendido como escravo. À sua espera está um buraco negro repleto de infindáveis brutalidades, onde a noção de humanidade não existe.

Os espectadores entram igualmente nesse buraco. Steve McQueen não suaviza, não tem piedade, não embeleza, não liberta. A violência física e psicológica com que somos confrontados violenta-nos também, emocional e fisicamente até. No entanto, toda esta dureza existe para nos fazer viajar pela natureza do ser humano, pelo questionamento do bem e do mal, por todas as atrocidades que os tempos já assistiram e pelas que ainda existem. E é por isso que ainda nos sentimos mais perturbados.

Tecnicamente notável, com uma fotografia digna de admiração (a cargo de Sean Bobbitt) e uma banda sonora absolutamente adequada e comovedora (tire-se o chapéu a Hans Zimmer), este filme tem o impacto de uma bomba que explode dentro de nós. Não esquecendo obviamente a interpretação magistral dos diversos actores, referindo aqui Michael Fassbender, uma presença habitual nos filmes de McQueen.

Baseado nas memórias escritas pelo próprio Solomon Northurp, este filme fala-nos de realidade. O ideal será mesmo ver o filme com alguém que nos ajude a erguer as costas quando saímos da sala de cinema, que entretanto ficou inundada pelo mais puro dos silêncios.

Título: 12 Years a Slave
Realizador: Steve McQueen
Actores:
Chiwetel Ejiofor, Michael Fassbender, Lupita Nyong’o
Ano:
2013

Texto de Carina Correia

(Publicado a 9 de Janeiro de 2014)