• Photobucket

Home / Tendências / Fazer Barulho

Fazer Barulho

BPI_3126

A Noise Goods começou a fazer barulho ainda antes de ser uma marca de acessórios de moda para homem. O seu criador, Pedro Fernandes, estava farto de comprar carteiras que se estragavam em pouco tempo, pelo que decidiu criar a sua. O pequeno porta-moedas em pele, com espaço para cartões, foi parar a um blogue da especialidade e choveram encomendas.

“Sentia-me um bocado insatisfeito com o que o mercado oferecia, em termos de acessórios para homem. O que eu comprava inutilizava-se logo, porque era feito de nylon ou poliéster”, explicou o designer, de 30 anos.

A insatisfação transformou-se num hobby, com Pedro a centrar a sua pesquisa nas técnicas de construção com vista à durabilidade dos materiais. E o hobby num trabalho a tempo inteiro, após a menção no blogue australiano Carryology, em junho.

BPI_3139

Meio ano depois, nascia o site da Noise Goods, que disponibiliza porta-moedas, porta-documentos e clutches masculinos.

Os produtos são feitos à mão, existem em várias cores, quase todas criadas por Pedro, com tintas à base de água, e custam entre 24 e 100 euros. A única loja física onde estão à venda é a Yard Sale, em Coimbra. Já seguiram encomendas para países como Japão, Singapura, Estados Unidos da América, Canadá e Austrália.

Made in Portugal

Durabilidade e produção sustentável são conceitos caros a Pedro Fernandes. Faz questão de que os produtos sejam feitos em Portugal, com mão de obra e matérias-primas nacionais. A pele, de origem animal, proveniente de Alcanena, é tratada com água e produtos naturais (casca de árvores e algumas folhas), num “processo antigo e em vias de extinção”, que leva tempo, explica.

BPI_3110

A ideia também é “combater a chegada da pele de outras paragens e com produtos químicos”, diz o criador da Noise Goods. Exemplificando: “O tratamento com crómio, feito num dia, é prejudicial para a saúde e dá cabo do meio ambiente”.

A clutch é feita ainda com burel, oriundo de Manteigas.

O designer, que nasceu em Pombal, vive na Mealhada, mas se considera de Coimbra, admite vir a criar outras linhas de acessórios de moda, inclusive, para o público feminino.

Texto de Carina Fonseca
Fotografia de Bruno Pires

(Publicado a 30 de Janeiro de 2014)