• Photobucket

Home / Tendências / Profissões em competição

Profissões em competição

  BPI_6961Existem por esse mundo fora inúmeros campeonatos dos quais não nos damos conta e onde Portugal tem representação. Descobrimos há pouco tempo um deles, o WorldSkills, campeonato internacional das profissões. E descobrimos também que em 2013, o nosso país foi representado por Cláudia Carvalho, aluna do Centro de Formação do Artesanato (CEARTE). Falámos com ela e com o seu formador Paulo Pereira e ainda foi possível sentir um pouco do ambiente que se vive nesta profissão.

Cláudia entrou no CEARTE para tirar o curso de Restauração e Bar. Tomou-lhe o gosto e hoje não duvida que é o ramo profissional que quer seguir. Esta formação permite que os alunos façam uma aprendizagem sobre todas as técnicas e elementos a aplicar num serviço de alimentação e de bebidas.

Mas vamos ao que nos trouxe aqui, o campeonato WorldSkills. Este é um campeonato internacional, que acontece de dois em dois anos e onde diversos países estão representados. Tem uma duração de quatro dias e nele são avaliadas as prestações de inúmeros jovens nos mais diversos ramos profissionais. Para chegar lá, os candidatos têm de ultrapassar diversas etapas: um campeonato regional, um nacional e um europeu. Cláudia, na categoria de Restauração e Bar, ganhou o regional e o nacional, obteve medalha de excelência no europeu e assim garantiu o seu lugar como participante no circuito mundial.

BPI_6998

Em Julho passado Cláudia rumou a Leipzig, na Alemanha, acompanhada por Paulo, que teve a missão de ser um dos jurados do campeonato. Ambos ficaram “abismados” com a dimensão de todo o evento, algo completamente diferente do que estavam habituados. Muitas pessoas a concorrer, muitas pessoas a avaliar e muitos meios de comunicação presentes em todos os momentos. De facto, é o mundo inteiro ali concentrado.

A área em que Cláudia concorreu distingue-se desde logo pelo facto de todo o trabalho executado ser visível aos olhos de todos. Ao contrário de outras profissões, que trabalham durante esses quatro dias e apresentam um resultado final, na Restauração e Bar, todo o trabalho é avaliado passo a passo, o que faz com que seja das áreas mais visitadas.

Esta competição é composta por quatro fases, cada uma correspondente a um dia de provas. A primeira é o chamado Casual Dining, onde foi confeccionada uma refeição rápida e simples. Além disso, neste primeiro dia ainda teve de fazer a identificação de 12 licores e bebidas espirituosas através do cheiro e da cor. No segundo dia, a prova consistia no Serviço de Banquete, tendo de realizar tudo o que a este serviço diz respeito. Desde abrir uma garrafa de espumante à chegada dos clientes, servir a entrada, o prato principal, a sobremesa, o serviço de cafetaria e todo o processo de “desembaraçar” a mesa. Foi-lhes pedido também que identificassem seis castas brancas e seis castas tintas. De seguida, a terceira prova a superar foi a de Bar e Laminar Fruta. Aqui pedia-se aos concorrentes para fazerem duas composições clássicas de cocktails, para inventarem duas outras sem álcool, utilizando os ingredientes disponíveis, e por fim laminar e fazer o empratamento da fruta. No último dia, a prova foi de Fine Dining. O objectivo era preparar tudo o que é inerente ao acto de servir uma refeição, incluindo a preparação da mesa, o trinchar de uma peça de carne e a confecção de uma sobremesa, neste caso um Crêpe Suzette.

BPI_7019

Como Paulo nos disse, a avaliação feita nestas provas está nos detalhes. Não conseguimos aqui expor todos, mas para ficarem com uma ideia são analisados parâmetros como: rapidez e destreza no serviço; a preparação e manutenção dos pratos e bebidas; o barulho ao abrir as garrafas de espumante e vinho; a decantação; se existe derramamento de bebida; a forma como se pega e transporta a bandeja; o corte dos alimentos; a preparação e colocação dos guardanapos; a colocação milimétrica de todos os elementos na mesa; a colocação da tolha e claro, tudo acompanhado por uma avaliação da higiene e segurança.

A exigência deste campeonato é, como podemos ver, elevada. No entanto, estes parâmetros de avaliação são o que compõem os conteúdos que este curso lecciona. Cláudia treinou intensivamente todas as provas o que a fez obter uma excelente classificação. Numa escala de 100 pontos, conseguiu obter 78, ficando em 17º lugar num conjunto de trinta países.

Parabéns à Cláudia e obrigado por levar Portugal além-fronteiras!

Texto de Carina Correia
Fotografia de Bruno Pires

(Publicado a 21 de Novembro de 2013)