• Photobucket

Home / Tendências / Um sabor de Coimbra

Um sabor de Coimbra

BPI_7915A Preguiça pensou nos leitores que apreciam a bela da cerveja e foi à ante estreia da nova marca de cerveja artesanal, totalmente made in Coimbra. DUX Beer é o seu nome e os seus criadores são José Miguel Faria e Pedro Domingos.

É já no próximo dia 1 de Outubro que a DUX Beer vê a luz do dia, mesmo que dentro de um copo. O evento terá lugar na sede dos antigos orfeonistas da Universidade de Coimbra, onde poderá ser degustada e apreciada por quem se juntar à festa.

José começou por nos dizer que “já fazia cerveja em casa há muito tempo e criar uma micro-cervejaria artesanal era um sonho que tinha há alguns anos”. O seu amigo, e actualmente também sócio, Pedro, partilhava do mesmo gosto, “mais de beber do que fazer”, e decidiram criar uma empresa em que um dos projectos é esta cerveja artesanal. “Começámos a trabalhar nisso logo desde o início do ano e a partir do Verão criámos a marca, registámos, tratámos do licenciamento da fábrica, começámos a divulgação e todo um conjunto de procedimentos necessários”, explicou José.

Neste momento, a cerveja já está pronta. “Temos um grande leque de apreciadores de cerveja, de todas as idades entre os 30 e os 80, que já provaram a nossa, e que gostaram muito e incentivaram o projecto a desenvolver-se, o que é muito importante”, contou Pedro atestado, mas de entusiasmo.

BPI_7704

Portanto, a partir daqui, é começar com a distribuição: “esperamos nós que a partir do dia 2 de Outubro os nossos distribuidores comecem a entregar a vários sítios do mercado”. A pergunta impôs-se. Quais serão esses sítios? “Estamos a começar a nossa produção de forma gradual. Neste momento produzimos mais ou menos 2000 litros por mês e com isto não podemos sair muito de Coimbra, para já. Será distribuída por Coimbra e arredores”, referiu Pedro. Contudo, a DUX Beer tem já um distribuidor nacional, especializado em cervejas artesanais, que vai criar alguns pontos de venda pelo resto do país, mas ainda não de uma forma global. A ideia “é com o tempo e o investimento que vamos fazer na nova fábrica, aumentar a produção, crescer e de uma forma abrangente chegar a todo o mercado nacional”.

Os locais onde poderemos encontrar esta cerveja serão os mais variados. Desde a loja gourmet, à loja de artesanato, à casa de fados, ao restaurante, ao café, ao bar, à discoteca, ao hotel. Não será difícil. Quanto aos supermercados, “ainda não temos produção suficiente para fazer esse mercado que, apesar de ser apetitoso, terá de ficar mais para a frente quando tivermos outras condições de produção”.

A DUX Beer tem neste momento três variedades: a Pilsner, uma cerveja macia, de corpo médio; a Weiss, com uma espuma densa e extremamente aromática e a Stout, cerveja preta com um sabor mais intenso. Todas são apresentadas e vendidas em garrafas de 7,5dl e com o preço de 7,5€, apesar de terem custos de produção diferentes. “Em relação aos preços, nós não interferimos com o consumidor final. Evidentemente haverá sítios onde vendem mais caro e outros mais barato. Cada negócio tem estruturas de custos diferentes e aplicam as margens que quiserem. Em termos de distribuição, o preço é fixo”, acrescentam.

BPI_7904

Estes dois amigos estão cientes de que muitas pessoas acham a cerveja artesanal cara e que esta não será excepção. “Isso tem explicações óbvias e não é porque as cervejeiras artesanais queiram ganhar muito. Mas as grandes cervejeiras produzem de 200 a 400 milhões de litros por dia. Ora, tudo o que compram, desde matéria-prima (quando não são donos das próprias plantações de cereais) a equipamentos é também aos milhões e por isso, têm milhões de desconto. A cerveja artesanal não. Compra tudo mais caro e é tudo feito manualmente. Quase que nem contabilizamos as nossas horas de trabalho”.

A escolha deste tamanho de garrafas, por sua vez, é algo que tem também uma explicação. “Para já, este tipo de garrafas é típico das cervejas artesanais. É uma cerveja para partilhar e para degustar. Por outro lado, enquanto não tivermos uma linha de enchimento e rotulagem noutras condições, tem de ser nestas garrafas”. Mas atenção que em Dezembro a DUX Beer vai aparecer também em versão mais pequena, em garrafas de 0,5l.

Quanto ao nome da cerveja, José e Pedro não tiveram muito que pensar. Parece que a ideia nasceu quase de forma instantânea durante uma viagem. “DUX em latim quer dizer líder, mas aqui em Coimbra é o nome que se dá ao chefe da praxe”.

Para os que gostam de beber, mas não percebem muito de como se chega ao produto final, ficam a saber que o processo de produção de cerveja passa por imensas etapas e, no caso da DUX, quase todas realizadas unicamente pelos dois criadores. Desde a colheita dos cereais, única etapa que não executam, até ao processo de maturação, vários e rigorosos procedimentos tomam lugar. “Neste momento fazemos o processo final de maturação em garrafa e o bom da cerveja artesanal é exactamente o cozinhar a cerveja e darmos o sabor que queremos. A diferença nota-se logo na espessura. Não é uma cerveja filtrada, é 100% natural”, rematam.

Teremos de provar e comprovar. Mas para já, podemos dizer que ficámos com sede.

Texto de Carina Correia
Fotografia de Bruno Pires

(Publicado a 26 de Setembro de 2013)