• Photobucket

Home / Tendências / Trocar em vez de comprar

Trocar em vez de comprar

BPI_7256O conceito não é novo, mas é bom. A Loja das Trocas de Coimbra, ou Be Shop, na Torre Arnado, abriu em Abril passado e promove a valorização dos bens, mas não do capital. Segundo Lucas Vieira, director executivo da Torre Arnado, “o conceito é o de eliminar o factor dinheiro nas transacções e, neste caso específico, dos produtos que estão na loja”.

A ideia de criar esta loja surgiu de forma muito espontânea: “numa reunião em que falávamos sobre possibilidades de dinamização do shopping, lancei a ideia de fazer uma loja de trocas. Era uma loja mais restrita, do género kid to kid, só roupa e produtos de bebé”. No entanto, a proposta não ficou por aqui. “A certa altura, a nossa consultora de imagem lembrou-se do projecto Believe Portugal, da Andresa Salgueiro”.

Fazemos aqui um parêntesis para explicar em que consiste o Believe Portugal. Andresa Salgueiro, cidadã comum, tomou a decisão de viver durante 1 ano, 11 dias, 11 horas e 1 minuto com 1111€, sobrevivendo principalmente da troca de bens e serviços. O projecto cresceu e hoje são vários os espaços e as acções ‘Believe’.

Assim sendo, juntaram-se as vontades e nasceu uma parceria com Andresa Salgueiro. Na verdade, “nós todos temos produtos que já não usamos. Ou porque já não precisamos, ou porque nos ofereceram e não gostamos, ou por outras razões. E eventualmente teremos necessidade de outros produtos que não temos. A loja é um ponto de encontro para essa troca. Deixar produtos que não necessitemos e, daqueles que lá estão, levar os que nos interessam”, explica Lucas Vieira. É bem simples.

BPI_7244

A Loja das Trocas de Coimbra tem, no entanto, uma particularidade: o uso de categorias. Ou seja, a cada produto levado faz-se corresponder uma categoria de igual (ou próximo) valor. Ao início não funcionava assim, era troca por troca, “podia trocar-se uma caneta por um carro, como exemplificava a Andresa”. Contudo, o conceito começou a ser desvirtuado. “A ideia não é andar à procura de coisas que vale a pena trocar e apercebemo-nos que havia indivíduos que andavam a tentar encontrar coisas que lhes trouxessem algum valor económico, digamos assim. A partir daí categorizámos os produtos e tornou-se tudo mais fácil”.

De forma geral, a loja tem tido alguma aceitação na cidade, apesar do entusiasmo inicial ter abrandado. Lucas Vieira confessa ter a noção de que se “existisse uma entidade completamente dedicada à loja, talvez funcionasse ainda melhor. Isto é uma loja pro bono e só temos lá uma funcionária quando é estritamente necessário e não em permanência, porque também não podemos”.

Apesar de não existir um registo exacto, há o feedback de que as senhoras são as quem mais procura e utiliza esta loja. Bem como roupa e acessórios de moda serem os objectos mais trocados. Mas podemos levar e encontrar das mais variadas coisas: cds, livros, objectos de decoração, etc. Acrescentamos também que nesta loja, trocam-se serviços, apesar de ser uma actividade mais recente. A lógica é a mesma, mas em vez de bens, são serviços. Alguém não gosta de cozinhar e adora passear animais? Quem sabe lá não encontra a pessoa ideal para fazer essa transacção.

BPI_7263

Outro aspecto que saltou desta nossa conversa foi o facto de os outros lojistas do Arnado terem tido a maior das receptividades quando a loja abriu. “Não entenderam nunca que fosse uma competição, mas sim um factor dinamizador”.

Em relação ao futuro, entusiasmo é o que se sente. “A loja é para continuar, está composta e tem-se trocado muita coisa”. E para além da loja, abre-se uma pontinha da cortina para informar que outras iniciativas estão a ser delineadas. “Estamos a trabalhar numa iniciativa que para além de ajudar a loja, será uma continuação deste conceito. Estamos a pensar, ainda de forma embrionária, numa Feira de Trocas”.

Vamos então aguardar por novidades e, como diz Andresa Salgueiro, “Believar num futuro melhor”.

Loja das Trocas
Torre Arnado, R/C
Horário: segunda a sábado das 08h00 às 23h00

Texto de Carina Correia
Fotografia de Bruno Pires

(Publicado a 19 de Setembro de 2013)